Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

África passa a ser exemplo na distribuição de PrEP

Em países da África, a PrEP está sendo implementada mais rápida que em nações de renda mais alta. Especialistas atribuíram o aumento na aceitação à introdução de mais canais de distribuição.

Agência Aids
06/02/2021

Em 2018, a PrEP não era amplamente usada na Nigéria, com apenas cerca de 400 pessoas acessando essa tecnologia de prevenção. Mas, dois anos depois, esse número cresceu para quase 32 mil.

Na verdade, em vários países da África, a PrEP está sendo implementada rapidamente a uma taxa mais alta do que em nações de renda mais alta. Especialistas em saúde atribuíram o aumento na aceitação à introdução de mais canais de distribuição.

Durante a Conferência de Pesquisa para Prevenção do HIV, uma pesquisa da Aids Vaccine Advocacy Coalition revelou que a África Subsaariana expandiu substancialmente o acesso à PrEP de cerca de 4 mil pessoas que começaram a aderir à prevenção em 2016 para mais de 500.000 em 2020.

Ranking dos países com o maior número de iniciações de PrEP em 2020

A intensificação das medidas de prevenção do HIV tem estado no centro das políticas de prevenção da maioria dos países africanos. Eswatini tem a maior prevalência de HIV do mundo, com mais de 27% dos adultos vivendo com o vírus. O país, que tem uma população de menos de 1,2 milhão, viu 14.554 pessoas acessando a PrEP – mais do que Canadá, Alemanha, Holanda e China.

África do Sul, Quênia, Zâmbia e Uganda tiveram o maior número de iniciações de PrEP no continente, mas vários outros países estão registrando aumentos acentuados.

Entre o segundo trimestre de 2017 e o final de 2020, o número de iniciações de PrEP no Lesoto cresceu de 788 para mais de 32.000. Durante o mesmo período, as iniciações cresceram de 14 para mais de 30.000 na Namíbia e de apenas uma para mais de 5.000 em Ruanda.

A popularidade da PrEP entre os países africanos não é uma surpresa para os principais interessados. Em um comunicado, o Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde para a África disse que países como Eswatini encontraram maneiras de conectar vários serviços de HIV. “Os serviços de HIV nas clínicas de atenção primária à saúde da comunidade estavam ligados às atividades de prevenção do HIV”, declarou a OMS.

Kate Segal, gerente de programa para introdução de produtos e acesso na AVAC, atribuiu os aumentos à adoção antecipada, ao compromisso dos governos em ampliar o acesso e ao fornecimento de várias vias de acesso. Ela acrescentou que o número de usuários de PrEP na África aumentará ainda mais quando mais canais de entrega forem disponibilizados.

Segal disse que o acesso precisa ir além da entrega por meio de unidades de saúde focadas em serviços de HIV para “entregar a PrEP em ambientes integrados, por meio de serviços amigáveis aos jovens em abordagens que aproximam a PrEP do usuário. Como vimos no ano passado, em meio à pandemia de Covid-19 em particular, os modelos de entrega diferenciados têm tido muito sucesso em alcançar os usuários da PrEP. Acho que vai acelerar a aceitação ”, disse ela.

A importância das vias de acesso

Os países africanos com o maior número de usuários de PrEP também são aqueles com várias vias de acesso. Das nove opções de prestação de serviços monitoradas pelo Global PrEP Tracker da AVAC, o Quênia já está implantando sete: clínicas móveis, clínicas de planejamento familiar, hospitais, ONGs, clínicas de saúde geral primária, centros de testes e clínicas de pesquisa. Os dois locais onde a mercadoria ainda não é acessível são residências e farmácias.

Segal acrescentou que vários países africanos agora têm programas adaptados às populações com alta vulnerabilidade para HIV. Existem também iniciativas de acesso à PrEP lideradas pela comunidade, além de serviços não discriminatórios e vínculos de apoio social.

O Dr. Olabanjo Okunlola Ogunsola, diretor associado de serviços de prevenção da APIN Public Health Initiatives na Nigéria, disse que todos os implementadores de programas no país agora têm metas para PrEP e que a Nigéria tem como objetivo alcançar pessoas em risco aumentado, como o caso de homens casados com mais de uma esposa. “As pessoas estão estimulando o uso e o treinamento vai garantir que a PrEP chegue a quem precisa”, disse ele.

“Todas essas lições têm implicações para futuros produtos de prevenção do HIV. Os países devem planejar a introdução de produtos futuros por meio de canais e abordagens considerados preferidos por usuários finais em potencial ”, concluiu.


Redação da Agência de Notícias da Aids com informações